2º ano

 
 

Avaliação Parcial

1.       Coanócitos são:
a) células características dos espongiários (poríferos);
b) células características dos celenterados;
c) células reprodutivas;
d) formas jovens dos poríferos;
e) o mesmo que cnidoblastos

2.       Invertebrados sésseis, sem órgãos e sem tecidos, com digestão exclusivamente intracelular, são classificados como
a) esponjas.
b) anêmonas-do-mar.
c) lírios-do-mar.
d) cracas.
e) mexilhões.

3.  Quanto à reprodução dos poríferos:

a)     A reprodução pode ser assexuada por brotamento.

b)    A reprodução só acontece por união de gametas.

c)     A reprodução só acontece sexuadamente.

d)    N.D.A

4.       (PUC-RS) Os platelmintos são animais que apresentam o corpo achatado e sua espessura, quase desprezível, proporciona uma grande superfície em relação ao volume, o que lhes traz vantagens. A forma achatada desses animais relaciona-se diretamente com a ausência dos sistemas:

a)     digestivo e excretor

b)      respiratório e circulatório

c)       excretor e circulatório

d)      digestivo e secretor

e)      secretor e nervoso

5.       (Fuvest-SP) Impedir que as larvas penetrem na pele, que os ovos caiam na água e destruir os caramujos são maneiras de controlar a transmissão da:

a)      malária.

b)      doença de Chagas.

c)      esquistossomose.

d)     febre amarela.

e)      Cisticercose

6.       (UFU) A esquistossomose mansônica, também conhecida por "barriga d'água", é uma verminose comum no Brasil, atingindo mais de 10 milhões de pessoas.

a)      A que filo pertence o verme causador desta doença?

b)      Quais são, respectivamente, os hospedeiros definitivo e intermediário do parasita?

c)       Cite dois modos de prevenção da esquistossomose.

7.       Um adolescente foi passar férias no interior do país e recebeu os seguintes conselhos dos seus pais:

a)      Não nadar em lagoas onde houver caramujos;

b)      Não comer carne de porco mal cozida;

Que doença parasitária pode ser evitada com cada uma dessas precauções? Por quê?

8.       Cite duas diferenças entre a Taenia solium e a Taenia saginata.

Boa Prova!!

 
 

Avaliação

Escola de Ensino Médio Francisco Holanda Montenegro
Avaliação Global de Biologia 2° Ano "B"

1. O aparelho floral de proteção, constituído por peças geralmente coloridas, denomina-se:
a) cálice
b) androceu
c) corola
d) gineceu

2. Uma flor completa é constituída de :
a) pendúnculo, receptáculo, cálice, e corola.
b) pendúnculo, receptáculo, cálice, corola, androceu e gineceu.
c) pendúnculo, receptáculo, cálice, corola e androceu.
d) receptáculo, cálice, corola e androceu.

3. Os frutos podem ser classificados basicamente em dois tipos: carnosos e secos. Qual alternativa apresenta apenas frutos carnosos?
a) laranja, melancia, soja.
b) uva, pêssego, tomate.
c) caju, milho, feijão.
d) mamão, ervilha, abacate.

4. Pseudofrutos, são estruturas carnosas que se desenvolvem a partir de outra parte da flor. Marque a opção que contém exemplos de pseudofrutos.
a) maça, pêra, caju
b) maça, uva, mamão
c) maça, laranja, caju
d) maça, pêra, uva

5. Sobre as características gerais das dicotiledôneas é correto afirmar que:
a) a folha é do tipo reticulada, a raiz é pivotante e a flor é dímera.
b) a folha é do tipo reticulada, a raiz é fasciculada e a flor é trímera.
c) a folha é do tipo paralelinérvia, a raiz é fasciculada e a flor é trímera.
d) a folha é do tipo paralelinérvia, a raiz é pivotante e a flor é dímera.

6. As minhocas são animais da classe Oligoqueta, ordem Haplotaxida, distribuídas pelos solos úmidos de todo o mundo, algumas de apenas centímetros e outras com um a dois metros de comprimento. A qual filo pertence a minhoca?
a) filo platelmintos
b) filo mollusca
c) filo annelida
d) filo artropoda

7. O tubarão, do filo Chordata, faz parte do grupo Eucordados pois:
a) apresenta coluna vertebral mas não apresenta caixa craniana.
b) apresenta caixa craniana mas não apresenta coluna vertebral.
c) não apresenta coluna vertebral nem caixa craniana.
d) apresenta coluna vertebral e caixa craniana.

8. Aranhas, caranguejos e baratas são exemplos de animais que fazem parte do filo dos:
a) platelmintos
b) artrópodes
c) annelida
d) mollusca
9. São exemplos de animais que fazem parte do filo dos platelmintos:
a) tênia, esponjas
b) tênia, esquistossomos
c) moscas, lacraias
d) moscas, siris

10. Os polvos são _______________ da classe Cephalopoda e da ordem Octopoda, que significa "oito pés". Possuem oito braços com fortes ventosas dispostos à volta da boca.Qual alternativa completa corretamente?
a) artrópodes
b) moluscos
c) esponjas
d) anelídeos

Boa Prova!!
Hérica Nadia

 
 

Angiospermas

Os dois grandes grupos de angiospermas

 

As angiospermas foram subdivididas em duas classes: as monocotiledôneas e as dicotiledôneas.

São exemplos de angiospermas monocotiledôneas: capim, cana-de-açúcar, milho, arroz, trigo, aveias, cevada, bambu, centeio, lírio, alho, cebola, banana, bromélias e orquídeas.

São exemplos de angiospermas dicotiledôneas: feijão, amendoim, soja, ervilha, lentilha, grão-de-bico, pau-brasil, ipê, peroba, mogno, cerejeira, abacateiro, acerola, roseira, morango, pereira, macieira, algodoeiro, café, jenipapo, girassol e margarida.

 

Monocotiledôneas e dicotiledôneas: algumas diferenças

Entre as angiospermas, verificam-se dois tipos básicos de raízes: fasciculadas e pivotantes.

 

Raízes fasciculadas - Também chamadas raízes em cabeleira, elas formam numa planta um conjunto de raízes finas que têm origem num único ponto. Não se percebe nesse conjunto de raízes uma raiz nitidamente mais desenvolvida que as demais: todas elas têm mais ou menos o mesmo grau de desenvolvimento. As raízes fasciculadas ocorrem nas monocotiledôneas.

 

Raízes pivotantes - Também chamadas raízes axiais, elas formam na planta uma raiz principal, geralmente maior que as demais e que penetra verticalmente no solo; da raiz principal partem raízes laterais, que também se ramificam. As raízes pivotantes ocorrem nas dicotiledôneas.

 

Raiz fasciculada e pivotante, respectivamente.

Em geral, nas angiospermas verificam-se dois tipos básicos de folhas: paralelinérvea e reticulada.

 

Folhas paralelinérveas - São comuns nas angiospermas monocotiledôneas. As nervuras se apresentam mais ou menos paralelas entre si.

Folhas reticuladas - Costumam ocorrer nas angiospermas dicotiledôneas. As nervuras se ramificam, formando uma espécie de rede.

Existem outras diferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneas, mas vamos destacar apenas a responsável pela denominação dos dois grupos.

O embrião da semente de angiosperma contém uma estrutura chamada cotilédone. O cotilédone é uma folha modificada, associada a nutrição das células embrionárias que poderão gerar uma nova planta.

 

 

  • Sementes de monocotiledôneas. Nesse tipo de semente, como a do milho, existe um único cotilédone; daí o nome desse grupo de plantas ser monocotiledôneas (do grego mónos: 'um', 'único'). As substâncias que nutrem o embrião ficam armazenadas numa região denominada endosperma. O cotilédone transfere nutrientes para as células embrionárias em desenvolvimento.
  • Sementes de dicotiledôneas. Nesse tipo de semente, como o feijão, existem dois cotilédones - o que justifica o nome do grupo, dicotiledôneas (do grego dís: 'dois'). O endosperma geralmente não se desenvolve nas sementes de dicotiledôneas; os dois cotilédones, então armazenam as substâncias necessárias para o desenvolvimento do embrião.

 
 

Angiospermas

Atualmente são conhecidas cerca de 350 mil espécies de plantas - desse total, mais de 250 mil são angiospermas.

A palavra angiosperma vem do grego angeios, que significa 'bolsa', e sperma, 'semente'. Essas plantas representam o grupo mais variado em número de espécies entre os componentes do reino Plantae ou Metaphyta.

Flores e frutos: aquisições evolutivas

As angiospermas produzem raiz, caule, folha, flor, semente e fruto. Considerando essas estruturas, perceba que, em relação às gimnospermas, as angiospermas apresentam duas "novidades": as flores e os frutos.

As flores podem ser vistosas tanto pelo colorido quanto pela forma; muitas vezes também exalam odor agradável e produzem um líquido açucarado - o néctar - que serve de alimento para as abelhas e outros animais. Há também flores que não têm peças coloridas, não são perfumadas e nem produzem néctar.

Coloridas e perfumadas ou não, é das flores que as angiospermas produzem sementes e frutos.

 

As partes da flor

Os órgãos de suporte – órgãos que sustentam a flor, tais como:

  • pedúnculo – liga a flor ao resto do ramo.
  • receptáculo – dilatação na zona terminal do pedúnculo, onde se inserem as restantes peças florais.

Órgãos de proteção

Órgãos que envolvem as peças reprodutoras propriamente ditas, protegendo-as e ajudando a atrair animais polinizadores. O conjunto dos órgãos de proteção designa-se perianto. Uma flor sem perianto diz-se nua.

  • cálice – conjunto de sépalas, as peças florais mais parecidas com folhas, pois geralmente são verdes. A sua função é proteger a flor quando em botão. A flor sem sépalas diz-se assépala. Se todo o perianto apresentar o mesmo aspecto (tépalas), e for semelhante a sépalas diz-se sepalóide. Neste caso diz-se que o perianto é indiferenciado.

corola – conjunto de pétalas, peças florais geralmente coloridas e perfumadas, com glândulas produtoras de néctar na sua base, para atrair animais. A flor sem pétalas diz-se apétala. Se todo o perianto for igual (tépalas), e for semelhante a pétalas diz-se petalóide. Também neste caso, o perianto se designa indiferenciado.

Órgãos de reprodução

folhas férteis modificadas, localizadas mais ao centro da flor e designadas esporófilos. As folhas férteis masculinas formam o anel mais externo e as folhas férteis femininas o interno.

  • androceu – parte masculina da flor, é o conjunto dos estames. Os estames são folhas modificadas, ou esporófilos, pois sustentam esporângios. São constituídas por um filete (corresponde ao pecíolo da folha) e pela antera (corresponde ao limbo da folha);
  • gineceu – parte feminina da flor, é o conjunto de carpelos. Cada carpelo, ou esporófilo feminino, é constituído por uma zona alargada oca inferior designada ovário, local que contém óvulos. Após a fecundação, as paredes do ovário formam o fruto. O carpelo prolonga-se por uma zona estreita, o estilete, e termina numa zona alargada que recebe os grãos de pólen, designada estigma. Geralmente o estigma é mais alto que as anteras, de modo a dificultar a autopolinização.

 

Os frutos contêm e protegem as sementes e auxiliam na dispersão na natureza. Muitas vezes eles são coloridos, suculentos e atraem animais diversos, que os utiliza como alimento. As sementes engolidas pelos animais costumam atravessar o tubo digestivo intactas e são eliminadas no ambiente com as fezes, em geral em locais distantes da planta-mãe, pelo vento, por exemplo. Isso favorece a espécie na conquista de novos territórios.

    

 

 
 

Gimnospermas

As gimnospermas (do grego Gymnos: 'nu'; e sperma: 'semente') são plantas terrestres que vivem, preferencialmente, em ambientes de clima frio ou temperado. Nesse grupo incluem-se plantas como pinheiros, as sequóias e os ciprestes.

As gimnospermas possuem raízes, caule e folhas. Possuem também ramos reprodutivos com folhas modificadas chamadas estróbilos. Em muitas gimnospermas, como os pinheiros e as sequóias, os estróbilos são bem desenvolvidos e conhecidos como cones - o que lhes confere a classificação no grupo das coníferas.

Há produção de sementes: elas se originam nos estróbilos femininos. No entanto, as gimnospermas não produzem frutos. Suas sementes são "nuas", ou seja, não ficam encerradas em frutos.

Reprodução das gimnospermas

Vamos usar o pinheiro-do-paraná (Araucária angustifólia) como modelo para explicar a reprodução das gimnospermas. Nessa planta os sexos são separados: a que possui estróbilos masculinos não possuem estróbilos femininos e vice-versa. Em outras gimnospermas, os dois tipos de estróbilos podem ocorrer numa mesma planta.

 

O estróbilo masculino produz pequenos esporos chamados grãos de pólen. O estróbilo feminino produz estruturas denominadas óvulos. No interior de um óvulo maduro surge um grande esporo.

Quando um estróbilo masculino se abre e libera grande quantidade de grãos de pólen, esses grãos se espalham no ambiente e podem ser levados pelo vento até o estróbilo feminino. Então, um grão de pólen pode formar uma espécie de tubo, o tubo polínico, onde se origina o núcleo espermático, que é o gameta masculino. O tubo polínico cresce até alcançar o óvulo, no qual introduz o núcleo espermático.

No interior do óvulo, o grande esporo que ele abriga se desenvolve e forma uma estrutura que guarda a oosfera, o gameta feminino. Uma vez no interior do óvulo, o núcleo espermático fecunda a oosfera, formando o zigoto.

Este, por sua vez, se desenvolve, originando um embrião. À medida que o embrião se forma, o óvulo se transforma em semente, estrutura que contém e protege o embrião.

Nos pinheiros, as sementes são chamadas pinhões. Uma vez formados os pinhões, o cone feminino passa a ser chamado pinha. Se espalhadas na natureza por algum agente disseminador, as sementes podem germinar. Ao germinar, cada semente origina uma nova planta.

A semente pode ser entendida como uma espécie de "fortaleza biológica", que abriga e protege o embrião contra desidratação, calor, frio e ação de certos parasitas. Além disso, as sementes armazenam reservas nutritivas, que alimentam o embrião e garantem o seu desenvolvimento até que as primeiras folhas sejam formadas. A partir daí, a nova planta fabrica seu próprio alimento pela fotossíntese.

 

 

 

 
 

Avaliação

AVALIAÇÃO DE BIOLOGIA

01. (FUVEST) Num filme de ficção científica havia musgos gigantes, do tamanho de coqueiros. Qual sistema, ausente nos musgos reais, deveria estar presente nos gigantes para que eles atingissem esse tamanho? Por quê?

02. (U.F.Lavras -MG) Responda:

a) No que se assemelham briófitas e pteridófitas quanto ao habitat e transporte de gametas?
b) No que diferem quanto ao transporte de água e sais minerais?


3. Em que se baseia a classificação das algas em verdes, vermelhas e pardas?


04. Durante o processo de evolução das plantas, algumas características foram selecionadas para a adaptação ao ambiente terrestre. Dentre elas podemos citar:

 
 
 

    São características que ocorrem nas briófitas e pteridófitas respectivamente:

 


5. (VUNESP) A uma pessoa que comprasse um vaso de samambaia numa floricultura e pretendesse devolvê-lo por ter verificado a presença de pequenas estruturas escuras, dispostas regularmente na face inferior das folhas, você diria que:
a) A planta, com certeza, estava sendo parasitada por um fungo.
b) A planta necessitava de adubação, por mostrar sinais de deficiências nutricionais.
c) A planta tinha sido atacada por insetos.
d) As pequenas estruturas eram esporângios reunidos em soros, os quais aparecem normalmente durante o ciclo da planta.
e) A planta se encontrava com deficiências de umidade, mostrando manchas necróticas nas folhas.


6. A conquista definitiva da terra pelas plantas só foi possível quando estas adquiriram verdadeiros tecidos condutores. Do ponto de vista geocronológico, as primeiras plantas com esses tecidos foram as:
a) briófitas.
b) pteridófitas.
c) algas.
d) gimnospermas.
e) angiospermas.


7. O Reino Plantae é constituído por diferentes grupos de plantas, nos quais se encontram as Briófitas (filo/divisão Bryophyta) e as Pteridófita (filo/divisão Pterophyta). A respeito dessas plantas, assinale a alternativa incorreta.
a) Na reprodução das Briófitas e Pteridófitas a meiose ocorre para formação de esporos.
b) Briófitas e Pteridófitas possuem um sistema eficiente de vasos condutores de seiva.
c) Briófitas e Pteridófitas dependem da água para a reprodução, pois seus gametas são flagelados.
d) Briófitas e Pteridófitas apresentam alternância de gerações, sendo as gerações duradouras as gametofídicas e esporofídicas, respectivamente.
e) Pteridófitas possuem raízes, caule e folhas verdadeiras, enquanto as Briófitas possuem rizóides, caulóides e filóides.


8. Como ocorre o ciclo das Briófitas?

Boa Prova!!


















 
 

Atividade

Atividade

1. (FUVEST) No que diferem briófitas e pteridófitas quanto ao deslocamento da água no interior da planta?

2. (U.F.Lavras -MG) Responda

a) No que se assemelham briófitas e pteridófitas quanto ao habitat e transporte de gametas?
b) No que diferem quanto ao transporte de água e sais minerais?

3.  (VUNESP) Em um brejo, encontrou-se grande quantidade de musgos (briófitas) e samambaias (pteridófitas). Todos os musgos eram pequenos, com poucos centímetros de altura, ao passo que algumas samambaias alcançavam até 2 metros. Que diferenças na estrutura desses grupos justifica essa diferença de tamanho? 

4. (FUVEST) Plantas traqueófitas, isto é, possuidoras de sistemas condutores de seiva bruta e de seiva elaborada, são:

a) As algas, os fungos e os briófitos.

b) As algas, as pteridófitas e as angiospermas.

c) Os briófitos, os pteridófitos e as angiospermas.

d) Os briófitos, as gimnospermas e as angiospermas.

e) Os pteridófitos, os gimnospermas e as angiospermas.

 5. (VUNESP) A uma pessoa que comprasse um vaso de samambaia numa floricultura e pretendesse devolvê-lo por ter verificado a presença de pequenas estruturas escuras, dispostas regularmente na face inferior das folhas, você diria que:

a) A planta, com certeza, estava sendo parasitada por um fungo.

b) A planta necessitava de adubação, por mostrar sinais de deficiências nutricionais.

c) A planta tinha sido atacada por insetos.

d) As pequenas estruturas eram esporângios reunidos em soros, os quais aparecem normalmente durante o ciclo da planta.

e) A planta se encontrava com deficiências de umidade, mostrando manchas necróticas nas folhas.




 
 

Reino Plantae

Pteridófitas

 

Samambaias, avencas, xaxins e cavalinhas são alguns dos exemplos mais conhecidos de plantas do grupo das pteridófitas. A palavra pteridófita vem do grego pteridon, que significa 'feto'; mais phyton, 'planta'. Observe como as folhas em brotamento apresentam uma forma que lembra a posição de um feto humano no útero materno. Antes da invenção das esponjas de aço e de outros produtos, pteridófitas como a "cavalinha", cujo aspecto lembra a cauda de um cavalo e tem folhas muito ásperas, foram muito utilizadas como instrumento de limpeza. No Brasil, os brotos da samambaia-das-roças ou feto-águia, conhecido como alimento na forma de guisados.

Atualmente, a importância das pteridófitas para o interesse humano restringe-se, principalmente, ao seu valor ornamental. É comum casas e jardins serem embelezados com samambaias e avencas, entre outros exemplos.

Ao longo da história evolutiva da Terra, as pteridófitas foram os primeiros vegetais a apresentar um sistema de vasos condutores de nutrientes.

Isso possibilitou um transporte mais rápido de água pelo corpo vegetal e favoreceu o surgimento de plantas de porte elevado. Além disso, os vasos condutores representam uma das aquisições que contribuíram para a adaptação dessas plantas a ambientes terrestres.

   

O corpo das pteridófitas possui raiz, caule e folha. O caule das atuais pteridófitas é em geral subterrâneo, com desenvolvimento horizontal. Mas, em algumas pteridófitas, como os xaxins, o caule é aéreo. Em geral, cada folha dessas plantas divide-se em muitas partes menores chamadas folíolos.

A maioria das pteridófitas é terrestre e, como as briófitas, vivem preferencialmente em locais úmidos e sombreados.

 

Reprodução das pteridófitas

Da mesma maneira que as briófitas, as pteridófitas se reproduzem num ciclo que apresenta uma fase sexuada e outra assexuada.

Para descrever a reprodução nas pteridófitas, vamos tomar como exemplo uma samambaia comumente cultivada (Polypodium vulgare).

A samambaia é uma planta assexuada produtora de esporos. Por isso, ela representa a fase chamada esporófito

Em certas épocas, na superfície inferior das folhas das samambaias formam-se pontinhos escuros chamados soros. O surgimento dos soros indica que as samambaias estão em época de reprodução - em cada soro são produzidos inúmeros esporos.

Quando os esporos amadurecem, os soros se abrem. Então os esporos caem no solo úmido; cada esporo pode germinar e originar um protalo, aquela plantinha em forma de coração mostrada no esquema abaixo.

O protalo é uma planta sexuada, produtora de gametas; por isso, ele representa a fase chamada de gametófito.

   

O protalo das samambaias contém estruturas onde se formam anterozoides e oosferas. No interior do protalo existe água em quantidade suficiente para que o anterozoide se desloque em meio líquido e "nade" em direção à oosfera, fecundado-a. Surge então o zigoto, que se desenvolve e forma o embrião.

O embrião, por sua vez, se desenvolve e forma uma nova samambaia, isto é, um novo esporófito. Quando adulta, as samambaias formam soros, iniciando novo ciclo de reprodução.

Como você pode perceber, tanto as briófitas como as pteridófitas dependem da água para a fecundação. Mas nas briófitas, o gametófito é a fase duradoura e os esporófitos, a fase passageira. Nas pteridófitas ocorre o contrário: o gametófito é passageiro - morre após a produção de gametas e a ocorrência da fecundação - e o esporófito é duradouro, pois se mantém vivo após a produção de esporos.

 
 

Avaliação

1.) Os protozoários se classificam de acordo com o tipo e a presença, ou ausência, de organelas locomotoras. Faça a associação correta:
a) Rizópodes                    (  ) são desprovidos de organelas locomotoras
b) Ciliados                         (  ) locomovem-se por meio de pseudópodes
c) Esporozoários              (  ) locomovem-se por meio de cílios
d) Flagelados                    (  ) locomovem-se por meio de flagelos

2.) Explique o que é maré vermelha e qual o tipo de alga responsável por esse fenômeno.

3) Explique:
a) O que é micélio?
b) O que são hifas?
4.) Cite algumas características gerais dos fungos.

5.) O fungos podem associar-se a outras espécies de seres vivos. Responda:
a) O que são líquens?
b) O que são micorrizas?
c) Qual a semelhança entres esses dois tipos de associações?

6.) Cite duas importâncias dos fungos explicando o porquê dessa importância.

 
 

Reino Protista

Reino Protista

A complexidade da célula eucariótica de um protozoário é tão grande, que ela - sozinha - executa todas as funções que tecidos, órgãos e sistemas realizam em um ser pluricelular complexo. Locomoção, respiração, excreção, controle hídrico, reprodução e relacionamento com o ambiente, tudo é executado por uma única célula, que conta com algumas estruturas capazes de realizar alguns desses papéis específicos, como em um organismo pluricelular.

Segundo a classificação dos seres vivos em cinco reinos (Whittaker – 1969), um deles, o dos Protistas, agrupa organismos eucariontes, unicelulares, autótrofos e heterótrofos. Neste reino se colocam as algas inferiores: euglenófitas, pirrófitas (dinoflagelados) e crisófitas (diatomáceas), que são protistas autótrofos (fotossintetizantes). Os protozoários são protistas heterótrofos.

 

A célula

 

A célula de um protista é semelhante às células de animais e plantas, mas há particularidades. Os plastos das algas são diferentes dos das plantas quanto à sua organização interna de membranas fotossintéticas.

Ocorrem cílios e flagelos para a locomoção. A célula do protozoário tem uma membrana simples ou reforçada por capas externas protéicas ou, ainda, por carapaças minerais, como certas amebas (tecamebas).

Os radiolários e heliozoários possuem um esqueleto intracelular composto de sílica.

 

Os foraminíferos são dotados de carapaças externas feitas de carbonato de cálcio. As algas diatomáceas possuem carapaças silicosas.

Os protistas podem ainda ter adaptações de forma e estrutura de acordo com o seu modo de vida: parasita, ou de vida livre.

O citoplasma está diferenciado em duas zonas, uma externa, hialina, o ectoplasma, e outra interna, granular, o endoplasma. Nesta, existem vacúolos digestivos e inclusões.

 

 

 

Digestão

Nas espécies de vida livre há formação de vacúolos digestivos. As partículas alimentares são englobadas por pseudópodos ou penetram por uma abertura pré-existente na membrana, o citóstoma.

 

 

Já no interior da célula ocorre digestão, e os resíduos sólidos não digeridos são expelidos em qualquer ponto da periferia, por extrusão do vacúolo, ou num ponto determinado da membrana, o citopígio ou citoprocto.

 

Respiração

A troca de gases respiratórios se processa em toda a superfície celular.

 

Excreção

Os produtos solúveis de excreção podem ser eliminados em toda a superfície da célula. Nos protozoários de água doce há um vacúolo contrátil, que recolhe o excesso de água absorvido pela célula, expulsando-a de tempos em tempos por uma contração brusca. O vacúolo é, portanto, osmorregulador.

 

Classificação

A classificação dos protozoários baseia-se fundamentalmente nos tipos de reprodução e de organelas locomotoras.

A locomoção se faz por batimento ciliar, flagelar, por emissão de pseudópodos e até por simples deslizamento de todo o corpo celular. Em alguns ciliados há, no lugar do citoplasma, filamentos contráteis, os mionemas. Os pseudópodos, embora sendo expansões variáveis do citoplasma, podem se apresentar sob diferentes formas.

Algas

Nos sistemas aquáticos marinhos, existe uma comunidade formadora de uma verdadeira floresta. Ela é constituída por inúmeros protistas conhecidos simplesmente por algas. Assim como as florestas terrestres, essa comunidade aquática contribui para o abastecimento do oxigênio da biosfera.

 

O habitat e a Importância das Algas

Sob a denominação algas enquadram-se diversos grupos de protistas diferentes entre si, mas que mantém uma característica em comum: são todos eucariontes, autótrofos fotossintetizantes dotados de clorofila.

 

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL, Nordeste, IGUATU, Alencar, Mulher
Visitante número: